O deputado estadual Agenor Neto (PMDB) usou a tribuna da Assembleia, durante sessão plenária desta quinta-feira (01/10) para criticar o projeto de lei 67/15, que autoriza o Governo do Estado a contratar financiamento junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no valor de US$ 123 milhões para o Programa de Expansão e Melhoria da Assistência Especializada à Saúde do Estado. Na proposta está incluso a construção de dois hospitais: um na região do médio Jaguaribe e outro na área Metropolitana de Fortaleza, além da construção do Centro Administrativo da Sesa, e uma Policlínica tipo IV para Fortaleza.

O parlamentar solicitou aos colegas da casa que o pedido de empréstimo seja discutido detalhadamente no Parlamento, para que não se cometa o mesmo erro que ocorreu com relação a outros empréstimos, como aconteceu com o Acquario Ceará. "Vimos o Governo do Estado pegar recursos próprios, cerca de R$ 200 milhões, e investir num Acquário que não está servindo para nada. Imaginem se tivéssemos esses recursos investidos em abastecimento de água e na construção de casas para as pessoas que não tem onde morar", indagou.  

Agenor Neto fez questão de ressaltar que não é contra a construção de novos hospitais e policlínicas. De acordo com o parlamentar, a prioridade deve ser o custeio dos hospitais regionais, pois alguns estão parados por falta de recursos. "Nós sabemos que o hospital de Quixeramobim foi inaugurado no ano passado, e está fechado porque o Governo diz que não tem recursos para custear o funcionamento do mesmo", pontuou.

Ainda no mesmo pronunciamento, o deputado comentou o resultado de uma reunião com o secretário de Planejamento do Governo do Estado, Hugo Figueiredo, ocorrida na tarde de quarta-feira (30), e disse que apresentou como nova proposta o repasse de apenas 8% do montante de recursos investido no Hospital Regional de Sobral para ajudar no custeio do hospital de Iguatu. "Em Sobral, o Estado investe, para manter o Hospital Regional funcionando, quase R$ 12 milhões por mês, então porque não pegar 8% desse montante e repassar para o Hospital de Iguatu? Será que estamos pedindo muito?”, completou.