O deputado estadual Agenor Neto (PMDB) voltou a pedir ações mais efetivas de combate aos efeitos da seca no Ceará. O parlamentar externou sua preocupação com o prognóstico climático, anunciado na manhã desta quarta-feira (20/01), pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), que indica que existem 65% de probabilidade das chuvas ficarem abaixo da média no Estado.

De acordo com o relatório da Funceme, a possibilidade das precipitações deste ano ficar na média histórica é de 25%. A chance de o ano ser chuvoso é de apenas 10%. "As perspectivas apontadas indicam uma persistência da situação que já estamos vivendo, de escassez de chuvas, ou seja, existe a probabilidade de que o Ceará possa enfrentar o quinto ano consecutivo de seca, e, no entanto, não estamos vendo ações efetivas dos governos federal e estadual para se antecipar a essa situação. O que temos visto é o diretor do DNOCS dizer que não tem dinheiro para perfurar poços, e o Governo do Estado não se posicionar contra essa falta de compromisso do Governo Federal", disse o parlamentar.

Segundo Agenor Neto, nos últimos oito anos houve inversão de prioridades no Ceará em relação aos problemas ocasionados pelos efeitos da estiagem. "Ao invés de priorizar a compra de máquinas perfuratrizes para perfurar poços para abastecer a população do interior, o governo optou por investir cerca de R$ 150 milhões na compra de tatuzões para perfurar túneis. Em outra situação, gastou R$ 200 milhões em um aquário", lembrou.

O peemedebista ressalta que o Governo precisa de uma política de perfuração de poços, tratando cada microrregião do Estado de acordo com sua demanda. "No ano passado o Governo do Estado conseguiu empurrar com a barriga grande parte dos problemas de abastecimento enfrentados pelas regiões do interior, e somente no final do ano veio anunciar a perfuração de diversos poços, no entanto nada ainda foi feito", pontuou.