Falta de ações do Governo do Estado no enfrentamento da seca no Ceará. Esse foi o tema em destaque durante o pronunciamento do deputado Agenor Neto (PMDB), na sessão plenária desta quinta-feira (23) na Assembleia Legislativa. Segundo o parlamentar, não houve planejamento por parte do Governo para minimizar os efeitos da estiagem nos municípios do interior e na capital.

Agenor Neto ressaltou que o Ceará passa pelo quinto ano de seca consecutivo e que o Governo teve bastante tempo para se preparar. "Eu não vi, nem por parte do Governo e nem pela Prefeitura de Fortaleza, nenhuma campanha de racionamento de água, e agora estamos assistindo o próprio Estado dizendo que vamos ter um racionamento de água na capital", disse.

O parlamentar destacou uma audiência pública no município de Orós, que debateu ações para estiagem e a liberação da válvula do reservatório. "O que vimos foram inúmeros cidadãos revoltados pelo fato de o Governo do Estado não ter feito um planejamento, um trabalho de conscientização, para que pudesse evitar uma perda tão grande de água no reservatório do Castanhão", pontuou.

O peemedebista ressaltou que o Governo, ao invés de dar prioridades nas ações de combate à seca, preferiu investir em obras que não tem trazido nenhum benefício para as populações mais carentes. "Não existe nada de concreto para tranquilizar o povo porque o Governo, ao invés de investir em perfuratrizes (máquinas para cavar poços), optou em comprar tatuzões, em construção de centro de formação olímpico, construção de aquário, em usina de cana de açúcar, que nunca funcionou, e aí gastaram bilhões", criticou.

O deputado foi aparteado pelos deputados Evandro Leitão (PDT), Capitão Vagner (PR), Fernando Hugo (PP), Danniel Oliveira (PMDB), Roberto Mesquita (PSD), Ely Aguiar (PSDC) e Tomaz Holanda (PMDB).