O deputado Agenor Neto (PMDB) usou novamente a tribuna da Assembleia Legislativa, durante a sessão plenária desta quinta-feira (07/07), para cobrar do Governo do Estado a liberação das emendas dos parlamentares que direcionam recursos para a saúde pública do Estado. Ele lembrou que tramita na Casa um requerimento de sua autoria, que destina R$ 500 mil para o Hospital Regional de Iguatu, e ainda não foi aprovado porque a base aliada do governador esvazia o plenário no momento da votação.

O deputado também criticou as prioridades dos investimentos do Estado, salientando que os recursos que deveriam seguir para a unidade de Iguatu “estão servindo a outros hospitais”. De acordo com o deputado, o Hospital Regional de Sobral recebe em torno de R$ 142 milhões ao ano, enquanto Iguatu apenas R$ 15 milhões. “E o secretário de Saúde, Henrique Javi, em entrevista de rádio, omite a informação de que esses recursos são para atender a dez municípios, e ainda diz que é suficiente”, pontuou.

O parlamentar criticou a gestão da pasta de Saúde e o secretário Henrique Javi. De acordo com o deputado, Javi é ex-presidente do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH), entidade que realiza a gestão dos hospitais públicos do Ceará e que, “consome todo o dinheiro que deveria ser da saúde da população”.

Ele lembrou que o ex-secretário de Saúde, Carlile Lavor, compareceu à Assembleia Legislativa e explicou que todos os problemas enfrentados pela saúde do Estado eram de gestão. “Ele veio aqui e disse isso e o que aconteceu? Ele caiu e quem assumiu a pasta foi o ex-presidente da ISGH. Agora me digam, é do interesse da ISGH, que também administra hospitais privados, que os hospitais públicos funcionem corretamente?”, questionou. 

O deputado destacou que o Hospital Regional de Iguatu tem um índice de mortalidade 0,7%, e que abrange todos os municípios da região centro-sul e até do Cariri. “Quero elogiar a qualidade, o desafio e a luta de todos que fazem aquele hospital, mas não podemos aceitar esse comportamento do Governo do Estado”, concluiu.